quinta-feira, 14 de junho de 2018

Recortes de vida






Uma chuva no telhado a embalar
muitas lembranças de ti
Uma música suave inunda o ambiente
ilusões flamejantes de encontros ardentes
Uma alma inquieta
Mulher doce e sapeca
Na tarde que se finda
Escrevo poesia
A noite me atiça
Desejos e amor, tudo que um ser cobiça
Banho demorado
Uma taça de vinho
Silêncio!
Pensamentos soltos e alados
Olho na estante, pego o telefone
ouço seus recados...
Saio! Sigo sozinha
Busco sua companhia
Não quero ficar só
na silenciosa noite que se aproxima.








Nenhum comentário: