quarta-feira, 16 de maio de 2018

Dormindo com o Poema

Deito-me com um poema
Nem sei o nome...(anônimo, então)
Inspiro meus sonhos nas suas letras
Crio os versos na hora perfeita
Na fase do sonho bom
Deixo na sua  página  branca
manchas de batom

Fantasio sedutoras estrofes
Ousadas e  Profanas
Vagueio em estilos diversos
Perco os  limites e acesso
da famigerada sina do seu famoso verso.
Juntos eu e o poema, outro universo.

Na noite longa submeto-me à sua louca magia
O poema fala  e me contradiz
A noite é longa e o poema é pura boêmia
Quando durmo com ele, sou eu, aprendiz

O poema não adormece
Faço  um cântico a nós
Versos brancos antes e após
O poema vira  então uma prece

Lá  vai sumindo a intensa madrugada
Manhã que afugenta a orgia literal
Vejo rabiscos em uma página rasurada
Aguarda ali o poema , seu verso final!

Nenhum comentário: