sábado, 10 de fevereiro de 2018

Efêmero

                       











 Há dias em que o poema
se torna soturno, sem ânimo
vazio
                 Fica inerte na sombra                    

    não ousa, fica ali arredio. 
                          

     Nestes momentos volto a mim 
 mesma a indagar,
     onde foi a fragorosa poesia
morar?



Nenhum comentário: